A importância das tecnologias sociais para enfrentar a escassez hídrica e para o desenvolvimento

Andréa Cardoso Ventura, Luz Fernández García, Carla Gualdani
Texto completo: PDF

Resumen


Resumo

O momento atual é de grave escassez hídrica, provocada, em grande parte, pelas mudanças climáticas globais, bem como pela má utilização e gestão dos recursos. Entretanto, é sabido que milhares de comunidades em todo o mundo há séculos enfrentam problemas de falta de água, especialmente em zonas de clima árido e semiárido do planeta. Torna-se, assim, extremamente relevante conhecer como estas comunidades, utilizando seus conhecimentos locais sobre seca e falta de água, vêm garantindo sua sobrevivência. Somente assim se poderá aproveitar todo o potencial deste conhecimento em diferentes contextos e regiões.
O presente artigo apresentará três exemplos destas experiências, desenvolvidos no Brasil, e que adotaram como solução tecnológica para seus problemas sociais e ambientais as denominadas tecnologias sociais de convivência com o semiárido. Selecionados de um mapeamento no Estado da Bahia de 27 tecnologias sociais que contribuem para o enfrentamento local das mudanças climáticas e para melhorias da qualidade de vida das comunidades que o adotam, os três casos foram eleitos por buscarem soluções para problemas vinculados à falta de água, e por utilizarem bombas de água manuais entre as técnicas adotadas.
O estudo demonstra a potencialidade das tecnologias sociais de convivência com as adversidades climáticas da região como um importante aporte para as estratégias de desenvolvimento do Semiárido brasileiro, especialmente as ligadas à água para consumo humano e produção de alimentos. Desta forma, as boas práticas identificadas ao longo do presente estudo podem ser de grande utilidade para o desenho de mecanismos e estratégias de desenvolvimento e enfrentamento às mudanças climáticas em outras regiões semiáridas do planeta.

 

Resumen


Actualmente, muchos países tienen menos agua de la que necesitan, y esto se está viendo agravado en gran parte por el cambio climático global y por la mala gestión de los recursos naturales. Frente a esta realidad, se sabe que muchas comunidades locales repartidas por todo el mundo, llevan siglos sobreponiéndose a problemas vinculados a la falta de agua, especialmente en las regiones áridas y semiáridas del planeta. Conocer en detalle cómo estas comunidades, utilizando sus conocimientos locales sobre sequía y falta de agua, vienen garantizando su supervivencia, es extremadamente relevante para aprovechar todo el potencial de estos conocimientos en diferentes contextos y regiones.
En el presente artículo se presentarán tres ejemplos de estas experiencias basadas en el conocimiento local que han sido desarrolladas en Brasil, y que tienen en común el adoptar como solución tecnológica para sus problemas ambientales y sociales, las denominadas tecnologías sociales de convivencia con el semiárido. Estos casos de estudio han sido seleccionados de un mapeo llevado a cabo en el estado de Bahía, en el que se identificaron un total de 27 tecnologías sociales con potencial para contribuir por un lado al enfrentamiento del cambio climático y, por otro lado a las mejoras en las condiciones de vida de aquellas comunidades en las que se instalaba la tecnología. Los tres casos también tienen en común el hacer frente a problemas vinculados a la falta de agua, y el utilizar bombas de agua manuales entre las diversas técnicas de las que se compone cada tecnología social.
El estudio demuestra el gran potencial de las tecnologías sociales de convivencia con el semiárido para hacer frente a las adversidades climáticas, al mismo tiempo que suponen una importante contribución a las estrategias de desarrollo del semiárido brasileño. Además los resultados sugieren que este potencial es especialmente significativo en aquellas tecnologías en las que se vinculan acciones ligadas al agua para el consumo humano y para la producción de alimentos. Las buenas prácticas identificadas a lo largo del presente estudio pueden ser de gran utilidad para el diseño de mecanismos y estrategias de desarrollo y cambio climático en otras regiones semiáridas del planeta.


Palabras clave


Tecnologias Sociais; Desenvolvimento; Semiárido; Mudanças Climáticas; Escassez Hídrica; Tecnologías Sociales; Desarrollo; Semiárido; Cambio Climático; Escasez de Agua

Referencias


ANDRADE, F. L.; QUEIROZ, P. V. M. Articulação no Semiárido Brasileiro – ASA e o seu Programa de Formação e Mobilização e para Convivência com o Semiárido: a Influência da ASA na Construção de Políticas Públicas. In: KÜSTER, A.; MARTÍ, J. F.. Políticas Públicas para o Semiárido: experiências e conquistas no Nordeste do Brasil. Fortaleza: Fundação Konrad Adenauer, 2009.

ARTICULAÇÃO DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO (ASA). O Lugar da Convivência na Erradicação da Extrema Pobreza: Reflexões e proposições da Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA), no intuito de contribuir para a garantia plena do acesso à água para todas as pessoas no Semiárido. Recife: ASA, junho de 2011.

ARTICULAÇÃO DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO (ASA). Resultados P1+2. Disponível em: Acesso em 01 mar. 2013.

ASA - Articulação no Semiárido Brasileiro. Declaração do Semiárido. 1999. Disponível em:

BRASIL. Lei n. 12.187, de 29 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional sobre Mudanças Climáticas. Publicada do Diário Oficial de 30 de dezembro de 2009. 2009. Disponível em . [Acesso em 01 mai 2010].

CPRM. Atlas Digital dos Recursos Hídricos Subterrâneo. (2004). Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais [Online]. Disponível em:< http://www.cprm.gov.br >. Acesso em 02 jul. 2013.

Brasil. Lei n. 12.187, de 29 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional sobre Mudanças Climáticas. Publicada do Diário Oficial de 30 de dezembro de 2009. 2009. Disponível em: . Acesso em 01 mai 2010.

CAVALCANTI, E. R. Educação ambiental e educação contextualizada com base na convivência com o semiárido. In: BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT). Desertificação e Mudanças Climáticas no Semiárido Brasileiro. Editores: Ricardo da Cunha Correia Lima, Arnóbio de Mendonça Barreto Cavalcante, Aldrin Martin Perez-Marin.- Campina Grande: INSA-PB, 2011.

DAGNINO, R. P.; BRANDÃO, F. C.; NOVAES, H. T. N. Sobre o marco analítico-conceitual da tecnologia social. In: LASSANCE, A.; PEDREIRA, S. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. p. 15-64. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004.

DAMM, K.; FARIAS, N. A. Bomba d’Água popular e a construção do programa BAP. p. 139-156. In: KUESTER, A., MARTI, J. F., MELCHERS, I. (Org.) Tecnologias Apropriadas para terras secas. Manejo sustentável de recursos naturais em regiões semi-áridas no Nordeste do Brasil. Fortaleza: Fundação Konrad Adenauer, GTZ. 2006.

DIACONIA. Cisterna Calçadão 52.000 litros. Série Compartilhando Experiências / texto: Mário Farias, Joseilton Evangelista, Adriana Connolly - coordenação do projeto: Joseilton Evan- gelista, Mário Farias e Leonardo Freitas. -- Recife: Diaconia, 2008.

ESCOBAR, A. El lugar de la naturaleza y la naturaleza del lugar: ¿globalización o postdesarrollo? En: La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales, Lander, E. (comp.) Buenos Aires, CLACSO, 2000.

FBB. Água e Mudanças Climáticas: Tecnologias Sociais e Ação Comunitária. Silva, Milton Nogueira da (Comp.). Belo Horizonte: Cedefes e Fundação Banco do Brasil, 2012.

FBB. Tecnologia Social para Superar a Pobreza. Formulação de propostas à Conferência Rio+20. 10 pontos para uma plataforma da Tecnologia Social na Rio + 20. Organizador: Claiton Mello. Brasília, Outubro de 2011.

INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL (ITS). Conhecimento e cidadania. [S.l.]: ITSBRASIL, fev. 2007. (Tecnologia social, 1). 2007.

IPCC. Contribution of Working Group III to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. Metz, O.R. Davidson, P.R. Bosch, R. Dave, L.A. Meyer (eds) Cambridge University Press, Cambridge, United Kingdom and New York, NY, USA. 2007.

LASSANCE, A.; PEDREIRA, S. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004.

LEHMANN, C.; TSUKADA, R.; LOURETE, A. Tecnologias de Baixo Custo para o Cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio: O Processo de Captação de Águas Pluviais. International Policy Centre for Inclusive Growth. Research Brief no. 12. Fevereiro 2010.

MARENGO J, A. Caracterização do clima no Século XX e Cenários Climáticos no Brasil e na América do Sul para o Século XXI derivados dos Modelos Globais de Clima do 147 IPCC, Relatório 1, Ministério do Meio Ambiente-MMA, Secretaria de Biodiversidade e Florestas – SBF, Diretoria de Conservação da Biodiversidade – DCBio Mudanças Climáticas Globais e Efeitos sobre a Biodiversidade - Sub projeto: Caracterização do clima atual e definição das alterações climáticas para o território brasileiro ao longo do Século XXI. Brasília, MMA. Fevereiro 2007.

MCROBIE, G. The community's role in appropriate technology. New York: Hildegarde Hannum, 1982.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA). Caracterização do clima no século XX e cenários climáticos no Brasil e na América do Sul para o século XXI derivados dos modelos globais de clima do IPCC. Relatório 1. Brasília, DF: MMA, 2007.

MOVIMENTO DE ORGANIZAÇÃO COMUNITÁRIA (MOC). Experiência do P1MC na Bahia ganha Prêmio ANU. Publicada em 09/02/2011. Disponível em: . [Acesso em 13 mai. 2011].

MOVIMENTO DE ORGANIZAÇÃO COMUNITÁRIA (MOC). Programa Água e Segurança Alimentar: Cisternas Rurais. 2013. Disponível em: < http://www.moc.org.br/prog_asa1.php>.

NARVÁEZ, J. Tecnologías apropiadas para el desarrollo sostenible. Lima: Itacab, 1996.

NASCIMENTO, H. M. A. Convivência com o Semi-Árido e as Transformações Socioprodutivas na Região do Sisal – Bahia: por uma perspectiva territorial do desenvolvimento rural. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, 46., 2008, Rio Branco. Anais. Rio Branco, 2008.

NOBRE, P. Mudanças climáticas e desertificação: os desafios para o Estado Brasileiro. In: MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA — MCT. Desertificação e mudanças climáticas no semiárido brasileiro. Campina Grande, PB: Insa-PB, 2011.

PNUD. Human Development Report 2007/2008. Fighting climate change: Human solidarity in a divided world. Published by United Nations development Program. ISBN 978-0-230-54704-9. 2007.

PNUD. Objetivos do milênio. Nova York: Organização das Nações Unidas, 2000. Disponível em: . [Acesso em 1º fev. 2007].

RTS. Tecnologia Social e Desenvolvimento Sustentável: contribuições da RTS para a formulação de uma política de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação. Brasília/DF: Secretaria Executiva da Rede de Tecnologia Social (RTS). SANTOS, A. S. Social and Environmental Vulnerabilities in the Face of Climate Change for the Semiarid Area of Bahia - Brazil. In: Aryal, K. R, Gadema, Z. (Ed.) Climate Change and Disaster Impact Reduction. Newcastle, UK: Northumbria University. 2010.

Santos, A. S., 2008. Social and Environmental Vulnerabilities in the Face of Climate Change for the Semiarid Area of Bahia – Brazil. In: Aryal, K. R, Gadema, Z. (Ed.) Climate Change and Disaster Impact Reduction. Newcastle, UK: Northumbria University.

SANTOS, J. E. Estratégias de convivência para a conservação dos recursos naturais e mitigação dos efeitos da desertificação no semiárido. In: MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA — MCT. Desertificação e mudanças climáticas no semiárido brasileiro. Campina Grande, PB: Insa-PB, 2011.

SCHISTEK, H. A. Bomba D'água Popular. Disponível em: . Acesso em 02 jul. 2013.

SCHUMACHER, E.F. Small Is Beautiful: Economics As If People Mattered. Harper & Row. 1973. ISBN-10: 0061361224. ISBN-13: 9780061361227.

SILVA, A. de S. et al. Índice de sustentabilidade do uso da água de cisternas no semiárido brasileiro. In: Congresso Brasileiro de Agroecologia, 4., 2006, Belo Horizonte, Anais. Construindo horizonte. 2006.

UFBA. Relatório de pesquisa do projeto Mapeamento da Inovação no Estado da Bahia: subprojeto Mapeamento e Caracterização das Tecnologias Sociais. Núcleo de Política e Administração em Ciência e Tecnologia (NACIT). Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2010.

VENTURA, A. C.; ANDRADE, J. C. S. Polyculture in the semi-arid regions of Brazil. Field Actions Science Reports [Online], Special Issue 3 | 2011, Online since 19 April 2013, connection on 11 June 2013. Disponível em: .

VENTURA, A. C. et al. Potencial das Tecnologias Sociais para o Enfrentamento das Mudanças Climáticas e para a Promoção Desenvolvimento Humano: Um Olhar sobre o Semiárido Baiano. Bahia Análise & Dados, v.21, n.4, out/dez 2011. P.915-931.

VENTURA, A.; FERNANDEZ, L.; ANDRADE, C. Tecnologias Sociais: as Organizações Não Governamentais no Enfrentamento das Mudanças Climáticas e na Promoção de Desenvolvimento Humano. Cadernos EBAPE, Vol. 10, n. 3, p. 605-623, Rio de Janeiro, Set/2012.

VENTURA, A.; FERNANDEZ, L.; ANDRADE, C. Tecnologias Sociais para Enfrentamento às Mudanças Climáticas no Semiárido: Caracterização e Contribuições. Rev. Econ. NE, Fortaleza, v. 44, n. especial, p. 213-238, jun. 2013.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.