Processos migratórios e deslocamentos: o caso de atletas estrangeiros na maratona de São Paulo = Procesos migratorios y desplazamientos: el caso de ateltas extranjeros en la Maratón de São Paulo =Migratory processes and displacements: the case of foreign athletes in the São Paulo Marathon

Camila da Cunha Nunes, Manoel José Fonseca Rocha
Texto completo: PDF (Português (Portugal))

Resumen


Resumo: É comum visualizarmos no esporte e, mais especificamente, no caso de competições de corrida de rua atletas de outras nacionalidades competindo por equipes brasileiras, fato este que se materializa na Maratona de São Paulo. Observa-se a participação de atletas que migram momentaneamente para disputá-la e a influenciam. No Brasil, a Maratona de São Paulo é a competição oficial de maratona de maior periodicidade, ocorrendo anualmente desde 1995. Diante disso, objetiva-se identificar a origem dos atletas campeões da Maratona de São Paulo no período de 1995 - 2017 e as equipes/clubes que representam no Brasil tendo em vista o fluxo migratório de atletas observado. Para tal, utilizou-se de fontes de dados primários e secundários, coletados por meio de documentos, bibliografias e outros meios de divulgação. Nesse conjunto, adotamos como fontes jornais, revistas, sites e um conjunto de referenciais teóricos que fundamentam a discussão desejada. Assim como internacionalmente, os atletas africanos consolidaram ao longo do tempo uma hegemonia na competição, aparecendo como principais protagonistas, permitindo interação e aumento da competitividade, o que não quer dizer que não há a presença de atletas de outras nacionalidades no evento. Esse movimento de atletas africanos é impulsionado, atualmente, por intercâmbios possibilitados especificamente por duas equipes/clubes nacionais Coquinho e Luasa Sports.

 

Resumen: Es común ver en el deporte y, más específicamente, en el caso de competiciones de carrera de calle atletas de otras nacionalidades compitiendo por equipos brasileños, hecho que se materializa en la Maratón de São Paulo. Se observa la participación de atletas que migran momentáneamente para disputarla y la influencian. En Brasil, la Maratón de São Paulo es la competencia oficial de maratón de mayor periodicidad, ocurriendo anualmente desde 1995. Frente a ello, se objetiva identificar el origen de los atletas campeones de la Maratón de São Paulo en el período 1995 - 2017 y los equipos / los clubes que representan en Brasil teniendo en cuenta el flujo migratorio de atletas observado. Para ello, se utilizó de fuentes de datos primarios y secundarios, recogidos por medio de documentos, bibliografías y otros medios de divulgación. En ese conjunto, adoptamos como fuentes diarias, revistas, sitios y un conjunto de referencias teóricas, que fundamentan la discusión deseada. Así como internacionalmente, los atletas africanos consolidaron a lo largo del tiempo una hegemonía en la competición, apareciendo como principales protagonistas, permitiendo interacción y aumento de la competitividad, lo que no quiere decir que no hay la presencia de atletas de otras nacionalidades en el evento. Este movimiento de atletas africanos es impulsado, actualmente, por intercambios posibilitados específicamente por dos equipos / clubes nacionales Coquinho y Luasa Sports.

 

Abstract: It is common to see athletes of other nationalities competing for Brazilian teams in sport, and more specifically in the case of street racing competitions, which is materialized in the São Paulo Marathon. It is observed the participation of athletes who migrate momentarily to dispute it and influence it. In Brazil, the São Paulo Marathon is the official marathon competition with the highest frequency, occurring annually since 1995. In the light of this, the objective is to identify the origin of the athletes champions of the São Paulo Marathon in the period 1995 - 2017 and the teams / clubs that represent in Brazil in view of the migratory flow of athletes observed. For this purpose, primary and secondary data sources were used, collected through documents, bibliographies and other means of dissemination. In this set, we adopt as sources newspapers, magazines, websites and a set of theoretical references that base the desired discussion. As well as internationally, African athletes consolidated over time a hegemony in the competition, appearing as main protagonists, allowing interaction and increased competitiveness, which does not mean that there is no presence of athletes of other nationalities in the event. This movement of African athletes is currently driven by exchanges specifically made possible by two national teams Coquinho and Luasa Sports.


Palabras clave


Atletismo; Corrida de Rua; Migração; Africanos; Atletismo; Carrera de calle; La migración; Los africanos;

Referencias


Almeida, William Douglas de, e Kátia Rúbio. “Mindaugas e Radvilas: Dois brasileiros nascidos na Lituânia.” Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, Outubro-Dezembro de 2017: 869-876.

Alves, Edgar. “‘Soro’ será a arma de brasileiro na maratona SP.” Folha de São Paulo, 7 de Outubro de 1995: 4.

Araújo, Nelton. “Os grandes recordes da maratona masculina.” Contra-Relógio, 2017: 50-54.

—. “A evolução do recorde mundial de maratona.” Revista Contra-Relógio, Novembro de 2014.

Arruda, Eduardo. “ATLETISMO Atletas dos dois países devem disputar vitória: tira- teima entre Brasil e Quênia é atração da Maratona de São Paulo.” Folha de São Paulo, 11 de Junho de 2000: D5.

Assael, Shaun. “The File Blog.” Uphill climb for foreign runners in U.S. 16 de April de 2012.

Bourdieu, Pierre. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004a. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004b.

Brandão, Maria Regina Ferreira, Aline Magnani, João Paulo Medina, e Eduardo Conde Tega. “Além da cultura nacional: o expatriado no futebol.” Revista Brasileira Ciência e Movimento 21 (2013): 177-182.

Brito, Daniela. Caixa banca equipe de atletas estrangeiros em corridas de rua no Brasil. Brasília, 24 de Setembro de 2014.

Burfoot, Amby. “The history of the marathon: 1976-present.” Sports Med, 2007: 284- 287.

Cartaxo, Camila Augusta de Figueiredo. “Amizade, corpo e consumo entre corredores de rua de assessorias esportivasna zona Sul do Rio de Janeiro.” Disseração de Mestrado, Programa de Pós Graduação em Antropologia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012, 97.

Confederação Brasileira de Atletismo. Atletas Estrangeiros no Brasil. 2019.

Confederação Brasileira de Atletismo. Norma 07 reconhecimento e homologação de corridas de rua. 1 de Março de 2018.

Cruz, Heloisa de Faria, e Maria Rosário Cunha Peixoto. “Na oficina do historiador: conversar sobre história e imprensa.” Projeto História, Dezembro de 2007: 253- 270.

Dustmann, Christian, Samuel Bentolila, e Ricardo Faini. “Return migration: the European experience.” Economic Policy, 1996: 213-250.

Folha de Londrina. “Maratona traz estrelas para São Paulo. Prova já se consolida como uma das mais importantes do atletismo internacional. Largada será às 9 horas.” Folha de Londrina, 1 de Junho de 1997.

—. “Queniano vence maratona de São Paulo.” Folha de Londrina, 2012 de Junho de 2000.

Folha de São Paulo. “Pan-Americano tira estrelas da Maratona de São Paulo.” Folha de São Paulo , 3 de Junho de 2007: D7.

—. “ATLETISMO Mayal queixa-se da organização: brasileira vence e critica maratona.” Folha de São Paulo, 10 de Junho de 1996: 4.

—. “Atletismo. Brasileiras dominam pódio da prova feminina. Estreantes bate recorde e garante ao Quênia o tri na Maratona de SP.” Folha de São Paulo, 9 de Julho de 2001: 4.

—. “Atletismo. Genílson Silva e Maria do Carmo Guimarães vencem a Maratona de SP. Azarões conseguem a vaga para o Pan.” Folha de São Paulo, 12 de Maio de 2003: 6.

—. “Brasileiras pedem coelho.” Folha de São Paulo, 2 de Maio de 2010: D7.

—. “Brasileiros fazem dobradinha na Maratona de São Paulo: país volta a triunfar na prova após dois anos de domínio de atletas quenianos.” Folha de São Paulo, 2 de Junho de 2008: D6.

—. “Maratona bloqueia 42 km de vias amanhã em SP; shoppings abrem hoje.” Folha de São Paulo, 1 de Maio de 2004: C4.

—. “Maratona de SP vê êxodo de nações.” Folha de São Paulo, 23 de Maio de 1999: 7.

—. “Nova Maratona de São Paulo promete surpresa.” Folha de São Paulo, 11 de Maio de 2003: 4.

—. “Percurso paulistano é considerado fácil por competidores. São Paulo faz hoje a maratona dos ‘esquecidos’ pela Olimpíada.” Folha de São Paulo, 9 de Junho de 1996: 9.

Geman, Be. Immigrant Runners Are Winning More Than Olympic Medals. 20 de Agosto de 2016.

Gil, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. São Paulo: Atlas, 2010.

Hoberman , John. Darwin's athletes: how sport has damaged Black America and preserved the mith of race. New York: Houghton Mufflin, 1997.

Horne, J. “Athletic talent migration.” Em Berkshire Encyclopedia of World Sport, por David Levinson e Karen Christensen, 116. Massachusetts: Berkshire Publishing Group, 2005.

Jornal do Brasil. “Maratona a festa paulista.” Jornal do Brasil, 1 de Junho de 1997: 62.

Leister Filho, Adalberto. “Atletismo. Evento de São Paulo, última chance para definição da vaga olímpica, condiciona pagamento à obtenção de marcas. Maratona cria prêmio por produtividade.” Folha de São Paulo, 2 de Maio de 2004: D7.

—. “Primeiro grande evento com reserva de mercado para atletas nacionais terá só 3 quenianos.” Folha de São Paulo, 31 de Maio de 2009: D7.

Loss, Lucas. Com arrancada no final, marroquina vence Maratona de SP e bate recorde. São Paulo, 19 de Junho de 2011.

Maguire, Joseph A. “‘Política’ o ‘Ética’: deporte, globalización, migración y políticas nacionales.” Lecturas Eduación Física y Deportes, Agosto de 2007.

—. “‘Real politic’ or ‘ethically based’: sport, globalization, migration and nation-state policies.” Sport in Society, 2011: 1040-1055.

Maguire, Joseph, e R. Pearton. “The impact of elite labour migration on the identification, selection and development of European soccer players.” Journal of Sports Sciences, 2000: 759-769.

Njororai, Wycliffe W. Simiyu. “Global inequality and athlete labour migration from Kenya.” Journal Leisure/Loisir, 2010: 443-461.

Nunes, Camila da Cunha, e Manoel José Fonseca Rocha. “Alguns elementos que demarcam a Maratona de São Paulo em suas primeiras edições (1995-1999).” Revista Hydra, Dezembro de 2018: 193-238.

Nunes, Camila da Cunha. “Território e esporte: o processo de territorialização das corridas de rua no Brasil.” Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Universidade Regional de Blumenau , Blumenau, 2017, 411.

Nunes, Camila da Cunha, e Marcos Antônio Mattedi. “Esporte e território: a territorialização do handebol no estado de Santa Catarina.” Recorde: Revista de História do Esporte, Julho-Dezembro de 2014: 1-30.

Proni, Marcelo Weishaupt. “Proposições para o estudo do esporte contemporâneo. .”

The Journal of the Latin American Socio-cultural, 2011: 166-182.

Rial, Carmen. “Rodar: a circulação dos jogadores de futebol brasileiros no exterior.”

Horizontes Antropológico, 2008: 21-75.

Ribeiro, Carlos, Hugo Lovisolo, Alberto Gomes, e Andrezza Sant´anna. “Tem um queniano correndo entre nós: atletismo e migração no Brasil.” Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 2013: 401-410.

Rúbio, Kátia. “Processos migratórios e deslocamentos: caminhos que levaram atletas de modalidades coletivas aos Jogos Olímpicos de Barcelona em 1992.” Olimpianos - Journal of Olympic Studies, 25 de Maio de 2017: 53-67.

Runner Brasil. “Resultados 15ª Maratona de São Paulo, 2009.

Runner Brasil. “Resultados 10ª Maratona de São Paulo.” VEJA COM FOI. 2004.

Runner Brasil. “Resultados 11ª Maratona de São Paulo.” VEJA COM FOI. 2005.

Runner Brasil. “Resultados 12ª Maratona de São Paulo.” VEJA COM FOI. 2006.

Runner Brasil. “Resultados 13ª Maratona de São Paulo.” VEJA COM FOI. 2007.

Runner Brasil. “Resultados 16ª Maratona de São Paulo.” VEJA COM FOI. 2010.

Runner Brasil. “Resultados 18ª Maratona de São Paulo.” VEJA COM FOI. 2012.

Runner Brasil. “Resultados 19ª Maratona de São Paulo.” Veja com Foi. 2013.

Runner Brasil. “Resultados 8ª Maratona de São Paulo.” Veja com Foi. 2002.

Savazoni, André. “Com clima favorável Maratona de SP tem recorde feminino, mas não cresce.” Contra-Relógio, Julho de 2011: 24-37.

Symanski, Rosa. “Brasileira é primeira na maratona.” Jornal do Brasil, 24 de Maio de 1999: 5.

Trappe, Scott. “Marathon runners: how do they age?” Sports Med, 2007: 302-330. Tudo em Foco. Maratona São Paulo 2012. 2012.

Turato, Egberto Ribeiro. “Métodos qualitativos e quantitativos na área da saúde: definições, diferenças e seus objetos de pesquisa.” Revista de Saúde Pública 39 (2005): 507-514.

Valle, Ione Ribeiro. “Pierre Bourdieu: a pesquisa e o pesquisador.” Em A trama do conhecimento: teoria, método e escrita em ciência e pesquisa, por Lucidio Bianchetti e Paulo Meksenas, 95-117. Campinas: Papirus, 2008.

Wacquant, Loïc. “Hacia una praxeología social: la estructura y la lógica de la sociología de Bourdieu.” Em Una invitación a la sociología reflexiva, por Pierre Bourdieu e Loïc Wacquant, 25-90. Buenos Aires: Siglo XXI, 2005.

Wagner, Roy. A invenção da Cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

Wilber, Randall L., e Yannis P. P. Pitsiladis. “Kenyan and Ethiopian distance runners: what makes them so good?” International Journal of Sports Physiology and Performance, 2012: 92-102.

Ximenes , A. “Janete Mayal é a 1ª na Maratona de São Paulo.” Jornal do Brasil, 10 de Junho de 1996: 2.

Yescom. 22ª Maratona Internacional de São Paulo reunirá corredores de todo Brasil neste domingo. 2016.

Yescom. Listagem extra oficial (para conferência de tempo). 2015.

Yescom. Listagem extra oficial (para conferência de tempo). 2015. Yescom. Regulamento. 2015.

Yescom. Regulamento. 2014.

Yescom. Regulamento. 2017.

Zukeran, Valéria. “Pedestrianismo”. Diamantino Silveira e Viviane Anderson vencem a 4ª Maratona. São Paulo, São Paulo, 6 de abril de 1998.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Materiales para la Historia del Deporte
http://polired.upm.es/index.php/materiales_historia_deporte 
e-ISSN: 2340-7166