O rural civilizado: a experiência do hipismo no Jacarepaguá Tênis Clube (Rio de Janeiro; 1940-1957) = El rural civilizado: La experiencia de la hípica en el Jacarepaguá Tênis Clube (Rio de Janeiro; 1940-1957) = The civilized rural: The equestrian experience of Jacarepaguá Tênis Clube (Rio de Janeiro; 1940-1957)

Víctor Andrade de Melo


doi:10.20868/mhd.2021.21.4593

Texto completo: PDF (Português (Portugal))

Resumen


 

Resumo

Fundado em 1939, o Jacarepaguá Tênis Clube foi uma das únicas agremiações dos subúrbios cariocas a ter uma equipe de hipismo, modalidade usualmente praticada por gente de estrato socioeconômico alto. Este artigo tem por objetivo discutir essa experiência esportiva considerando que as iniciativas associativas são relevantes indicadores dos processos de urbanização, conformação de identidades e constituição do território. Adotou-se o recorte temporal de 1941 a 1957, período em que a equitação existiu no clube investigado. Como fontes, foram utilizados revistas e jornais publicados no Rio de Janeiro. Ao final, conclui-se que o incentivo ao esporte equestre foi mobilizado no sentido de forjar uma boa imagem para o clube, o apresentando como expressão do rural civilizado que caracterizaria o bairro.

 

Resumen

Fundado en 1939, Jacarepaguá Tênis Clube fue uno de los únicos clubes de los suburbios de Río de Janeiro que contó con un equipo de hípica, modalidad que habitualmente practican personas de alto nivel socioeconómico. Este artículo tiene el objetivo de discutir, desde su repercusión pública, la experiencia de esta sociedad deportiva considerando que las iniciativas asociativas son indicadores relevantes de los procesos de urbanización, conformación de identidades y producción del espacio. Se adoptó el marco temporal de 1941 a 1957, período en el que existía la equitación en el club investigado. Como fuentes se utilizaron principalmente revistas y periódicos publicados en Río de Janeiro. Al final, se concluye que el incentivo al deporte ecuestre se movilizó con el fin de forjar una buena imagen para el club, presentándolo como una expresión de lo rural civilizado que caracterizaría al barrio.

 

Abstract

Founded in 1939, Jacarepaguá Tênis Clube was one of the only clubs in the suburbs of Rio de Janeiro that had a team of horse riding, a sport usually practiced by people from high socioeconomic strata. This article aims to discuss, from its public repercussion, the experience of this sports society considering that associative initiatives are important indicators of processes of the urbanization, formation of identities and space production. The time frame from 1941 to 1957 was adopted, a period in which horse riding existed in the investigated club. As sources, they were used mostly magazines and newspapers published in Rio de Janeiro. It is concluded that the incentive to equestrian sport was mobilized in order to build a good image for the club, presenting it as an expression of the civilized rural that would characterize the neighbourhood.



Palabras clave


História do Esporte, História do Rio de Janeiro, hipismo, Historia del Deporte, Historia de Rio de Janeiro, hípica, Sport History, Rio de Janeiro History, horse riding.

Referencias


Abreu, Maurício (1987). A evolução urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IPLANRIO/Zahar.

Agulhon, Maurice (2009). El círculo burgués. La sociabilidad en Francia, 1810-1848. Buenos Aires: Siglo XXI.

Barreto Filho, Herculano (2020). Denúncias apontam Grande Jacarepaguá como nova fronteira da milícia no Rio. Disponível em: .

Costa, Waldemar (1986). O Vale do Marangá. Rio de Janeiro: Edição do autor.

Fernandes, Nelson da Nobrega (1995). O rapto ideológico da categoria subúrbio. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ.

Fraga, Annelise Caetano y Miriam de Oliveira Santos (2015). “Madureira, Capital dos Subúrbios (1940-1960): carnaval e comércio na produção de uma comunidade imaginada”. Iluminuras 16 (37): 11-31.

Leite, Márcia Pereira (2012). Grajaú, memória e história: fronteiras fluidas e passagens. Cadernos Metrópole 5: 91-125.

Linhales, Meily Assbú (2009). A escola e o esporte: uma história de práticas culturais. São Paulo: Editora Cortez.

Martins, Ronaldo Luis (2009). Mercadão de Madureira: caminhos de comércio. Rio de Janeiro: Condomínio do Entreposto Mercado do Rio de Janeiro.

Melo, Victor Andrade de (2001). Cidade sportiva: primórdios do esporte no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Relume Dumará/Faperj.

Melo, Victor Andrade de (2019). “Um hipódromo suburbano: a experiência do Club de Corridas Santa Cruz (Rio de Janeiro – 1912/1918)”. Topoi 20 (40): 157-84.

Melo, Victor Andrade de (2020). “Uma geografia do esporte: as experiências dos clubes de iatismo da Zona da Leopoldina (Rio de Janeiro, 1941-1954)”. GEOUSP – Espaço e Tempo 24 (1): 83-103.

Melo, Victor Andrade e Fabio de Faria Peres (2016). Primórdios do esporte no Brasil – Rio de Janeiro.

Manaus: Reggo Edições.

Miyasaka, Cristiane Regina (2016). Os trabalhadores e a cidade: a experiência dos suburbanos cariocas (1890-1920). Tese (Doutorado em História). Campinas: Unicamp.

Molinari, Carlos (2004). Nós que somos banguenses. Rio de Janeiro, Ícone.

Penna-Franca, Luciana (2016). Teatro amador no Rio de Janeiro: associativismo dramático, espetáculos e periodismo (1871-1920). Tese (Doutorado em História). Niterói: UFF.

Rocha, Fernando Goulart y Roland Luiz Pizzolatti (2005). “Cidade: espaço de descontinuidades”. Estudos Geográficos 3 (2): 46-53.

Rodrigues, João Freire (2014). “O rural e o urbano no Brasil: uma proposta de metodologia de classificação dos municípios”. Análise Social XLIX (2.º/211”: 430-456.

Santos, João Manuel Casquinha Malaia (2010). Revolução Vascaína: a profissionalização do futebol e inserção socioeconômica de negros e portugueses na cidade do Rio de Janeiro (1915-1934). Tese (Doutorado em História). São Paulo: USP.

Santos, Leonardo Soares dos (2011). “A cidade está chegando: expansão urbana na zona rural do Rio de Janeiro (1890-1940)”. Revista Crítica Histórica II (3): 114-137.

Santos, Leonardo Soares dos (2013). “Essa é terra é minha: identidades, processos de legitimação e conflitos de terra no sertão carioca (1945-64)”. Anos 90 20 (38): 295-325.

Santos, Leonardo Soares dos y Renato de Souza Dória (2013). “Do Sertão Carioca ao centro metropolitano: as disputas por terra na zona oeste do Rio de Janeiro 1940 – 2010”. Mneme - Revista de Humanidades 14 (33): 36-72.

Santos Junior, Nei Jorge (2012). A construção do sentimento local: o futebol nos arrabaldes de Andaraí e Bangu (1914-1923). Dissertação (Mestrado em História Comparada). Rio de Janeiro: UFRJ.

Santos Junior, Nei Jorge (2017). A vida divertida suburbana: representações, identidades e tensões em um arrabalde chamado Bangu (1895-1929). Tese (Doutorado em Lazer). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

Santos Junior, Washington Ramos do (2016). Subjetividade, identidade e geografia: o nascimento da Barra da Tijuca e a Cronus fusional (ou a morte da alteridade). Tese (Doutorado em Psicologia Social). São Paulo: USP.

Sousa, Raquel Gomes de (2014). Cinemas no Rio de Janeiro: trajetória e recorte espacial. Dissertação (Mestrado em Ciências). Rio de Janeiro: UFRJ.

Souza, Marcelo Lopes de (2009). “Território da divergência (e da confusão): em torno das imprecisas fronteiras de um conceito fundamental”. En Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos, editado por Marcos Aurélio Saquet y Eliseu Savério Sposito, 57-72. São Paulo: Expressão Popular.

Vaz, Luiz Augusto da Rocha (2019). Zona Oeste do Rio. Ocasos e alvoreceres. Um estudo sobre Cultura, Memória e Cidade. Dissertação (Mestrado em Memória e Acervos). Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa.

Vieira, Izabelle (2019). “Jacarepaguá: uma cidade do interior cravada no imaginário de seus moradores”. Ponto Urbe 24: 1-19.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Materiales para la Historia del Deporte
http://polired.upm.es/index.php/materiales_historia_deporte 
e-ISSN: 2340-7166