A educação física escolar na época da ditadura militar no Brasil: vozes de profesores = la educación física durante la dictadura militar en Brasil: voces de profesores = The physical education during the military dictatorship in Brazil: teacher voices

Sheila Aparecida Pereira dos Santos Silva, Wesley Batista Araújo

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Resumen


Diante de uma história contada pela literatura especializada, que concebe a Educação Física (EF) em diferentes momentos históricos como preponderante nos planos do Estado e da classe dominante na concepção de sociedade vislumbrada, nos propusemos a investigar as nuances dessa história que comumente desconsidera os professores de EF como agentes do processo de construção desta área do conhecimento. A forma determinista como tal literatura aborda o período em questão, como se o modo de produção fosse capaz de determinar todas as ações daqueles indivíduos, enquadrando-os num sistema causa-efeito em que o sujeito pouco pode controlar os rumos de seus atos, nos levou a erigir uma hipótese alicerçada na vivencia pedagógica dos professores, ou seja, a EF, como área profissional, composta por diversos atores sociais, aproximava-se, e ao mesmo tempo, afastava-se da visão estatal. Suas posições eram determinadas não por forças exclusivas de um governo autoritário, mas também pela perspectiva individual dos professores pela mudança de cenário da Educação Física escolar (EFE). Diante disso, para alcançarmos o objetivo do estudo nos valemos da metodologia proposta pelo historiador Paul Thompson, a história oral, ancorando nossas análises no conceito de experiência de Edward P. Thompson. Concluímos que, apesar de o conteúdo esportivo ter sido relatado como hegemônico no período, não atribuímos isso exclusivamente ao governo e a classe dominante, a fim de incutir os valores que os interessavam. Apesar de admitirmos as ações ideológicas no período, compreendemos que houve um consórcio entre diversos atores sociais, entre eles, os professores como sujeitos de suas ações, e que contribuíram ativamente no processo de consolidação da EFE no Brasil.

 

Abstract: Faced with a story told by the literature, which conceives physical education (PE) in different historical moments as leading in state plans and the ruling class in designing envisioned society, set out to investigate the nuances of this story that often disregards teachers PE as agents of the construction process of this area of knowledge. The deterministic how this literature addresses the period in question, as the mode of production were able to determine all the actions of those individuals, framing them in a cause-effect system where the little guy can control the direction of his acts in It led to erect a hypothesis grounded in educational experiences of teachers, ie, EF, as a professional area consisting of various social actors, was approaching, and at the same time, away from the state vision. Their positions were determined not solely on the strength of an authoritarian government, but also by individual perspective of teachers by change of School Physical Education scenario (SPE). Therefore, to achieve the aim of this study we followed the methodology proposed by the historian Paul Thompson, oral history, anchoring our analysis on the concept of Edward P. Thompson experience. We conclude that, although the sports content have been reported as hegemonic in the period, do not attribute it solely to the government and the ruling class in order to instil the values that mattered. Although we assume the ideological shares in the period, we understand that there was a joint venture between various stakeholders, including the teachers as subjects of their actions, and actively contributed to the SPE consolidation process in Brazil.

Resumen: Frente a una historia contada por la literatura, que concibe la educación física (EF) en diferentes momentos históricos como líder en los planes estatales y la clase dominante en el diseño de la sociedad prevista, se propuso investigar los matices de esta historia que a menudo hace caso omiso de los profesores EF como agentes del proceso de construcción de esta área del conocimiento. Esta literatura aborda el período en cuestión, puesto que el modo de producción fue capaz de determinar todas las acciones de los individuos, enmarcándolos en un sistema de causa-efecto donde los escolares puedan controlar la dirección de sus actos. Se estableció una hipótesis basada en las experiencias educativas de los docentes; es decir, donde la EF, como un área profesional que consta de diversos actores sociales, se acercaba y se alejaba al mismo tiempo a la visión del Estado. Sus posiciones fueron determinadas no sólo por la fuerza de un gobierno autoritario, sino también por la perspectiva individual de los profesores ante el cambio de escenario de la Educación Física en la escuela. Por lo tanto, para lograr el objetivo de este estudio, se siguió la metodología propuesta por el historiador Paul Thompson, de la historia oral, el anclaje de nuestro análisis sobre el concepto de la experiencia de Edward P. Thompson. Llegando a la conclusión de que, aunque los contenidos de deportes han sido seleccionados como hegemónicos en este período, no se atribuyen exclusivamente al gobierno ni a la clase dominante con el fin de inculcar los valores que importaban. Aunque suponemos que las acciones ideológicas en este período influyeron, entendemos que hubo una labor conjunta entre las diversas partes interesadas, como sujetos de sus acciones, incluidos los maestros, lo que contribuyó activamente al proceso de consolidación de Educación Física Escolar en Brasil.

 


Palabras clave


educação física escolar; professores; ditadura militar. school physical education; teachers; military dictatorship. educación física en la escuela; profesores; dictadura militar.

Referencias


ARAÚJO, W.B. Educação Física escolar no período da Ditadura militar em Jundiaí-SP (1964-1985). Dissertação de mestrado, Programa de Pós-graduação em Educação Física da Universidade São Judas Tadeu, São Paulo, 2011.

BETTI, M. Educação Física e Sociedade. São Paulo: Movimento, 1991.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Diretrizes e bases da Educação Nacional. . Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L5692.htm. Acesso em 24 de julho de 2009.

______Decreto Lei nº69.450, de 1 de Novembro de 1971. Diretrizes e Bases da Educação Nacional.- Educação Física. Disponível em www.cevleis.com.br. Acesso em: 25 de julho de 2009.

______Ministério da Educação e Cultura, Departamento de Educação Física e Desportos, Lei nº 6.251, de 8 de outubro de 1975. Política nacional de educação física e desportos/ Plano nacional de educação física e desportos, Brasília, Departamento de Documentação e Divulgação, 1976. Disponível em: www.cevleis.com.br. Acesso em: 25 de julho de 2009.

CASTELLANI FILHO, L. Educação Física no Brasil: A história que não se conta. Campinas- SP: Papirus, 1988.

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE JUNDIAÍ. Plano de ensino. Jundiaí, 1974.

FERREIRA, R.C.B.; LUCENA, R.F. O esporte como prática hegemônica na Educação Física: de onde vem esta história? Disponível em: http://www2.faced.ufu.br/colubhe06/anais/arquivos/415RitaClaudia_e_RicardoLucena.pdf. Acesso em: 26 de julho de 2009.

GHIRALDELLI JR, P. Educação Física progressista. São Paulo: Loyola, 1988.

TABORDA DE OLIVEIRA, M.A. A Revista Brasileira de Educação Física e Desportos (1968-1984) e a experiência cotidiana de professores da Rede Municipal de Ensino de Curitiba: entre a adesão e a resistência. Tese de Doutorado, Programa de Pós- Graduação em Educação: História e Filosofia da Educação, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2001.

SOARES et al. Metodologia do ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.

THOMPSON, E.P. A miséria da Teoria ou um planetário de erros. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

______A formação da classe operária inglesa: a maldição de Adão. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988a. Vol. II.

______A formação da classe operária inglesa: a força dos trabalhadores. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989b. Vol. III.

______A formação da classe operária inglesa: a árvore da liberdade. 3. ed. Rio de Janeiro:Paz e Terra, 1997c. Vol. I.

THOMPSON, P. A voz do passado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Materiales para la Historia del Deporte
http://polired.upm.es/index.php/materiales_historia_deporte 
e-ISSN: 2340-7166